© 2010, Glauco Campello

Torre em Botafogo, Rio de Janeiro

Torre em Botafogo - Rio de Janeiro / 2008

            Optou-se por reunir numa única edificação a área total disponível em torno do antigo educandário Santa Tereza. Desse modo, em vez do entulhamento da quadra com a repetição de blocos destinados a habitação e comércio, uma única torre de escritórios. Alta o bastante para liberar uma grande área livre: um parque, no meio do qual se destacaria a construção tombada.

            A torre de escritórios é formada pelo núcleo central da circulação vertical e serviços,  e por duas alas em meia lua, destinadas aos locais de trabalho. Em suas linhas simplificadas e puras pode-se perceber como está estruturada e como se compõem os seus espaços interiores.

            Há quatro possibilidades de acesso, duas no andar térreo e duas no andar rebaixado. Isto permitiria a subdivisão do complexo em quatro unidades condominiais autônomas.

            As duas marquises do térreo fazem a intermediação entre o espaço do pedestre e a torre, mas, sobretudo, estabelece a transição entre a escala amena da antiga edificação e a escala, inevitavelmente mais ampla, do edifício novo.

            Este estudo foi desenvolvido com a colaboração do arquiteto Rafael Balbi.