© 2010, Glauco Campello

Igreja de Nova Iorque, Maranhão

Igreja de Nova Iorque - Maranhão / Projeto: 1969

            “Sistema construtivo simples, adaptado às condições rudimentares do local: alvenarias caiadas de branco, estrutura de madeira e cobertura de telhas de cerâmica. Valorização do espaço interno pela luz que atravessa o reticulado de madeira da fachada.”

            Nova Iorque é uma pequena cidade inteiramente construída pela CESF, no interior do Maranhão, nas proximidades da Represa Boa Esperança, destinada a receber os habitantes de um povoado  submerso em suas águas. Não havia porque se preocupar com as  antigas condições locais rudimentares, do ponto de vista da construção. As obras da pequena cidade eram realizadas pelos empreiteiros da Represa e acompanhadas pelos arquitetos da CESF. Conquanto a escolha de materiais correntes e a opção por um sistema construtivo passível de ser apreendido, mas não simples, fosse condizente com o respeito às tradições culturais dos habitantes do povoado, a concepção espacial e conseqüente solução volumétrica partiam de um nível de abstração difícil de ser assimilado por aquela comunidade.

            Todavia a obra foi realizada sem que eu pudesse acompanhar sua execução, nem ficar conhecendo a reação dos habitantes à sua nova igreja. Tudo se perde nesses longínquos rincões do Brasil.

            Desconfio que a execução não correspondeu ao rigor com que o desenho da edificação foi concebido. Mas o tema da simplicidade, conscientemente buscado através de um processo mental sofisticado, está presente, e para mim cheio de encanto, nos desenhos da Igrejinha de Nova Iorque.

            Recentemente vi algumas fotografias do edifício em seu estágio atual e minhas desconfianças se confirmaram. Nem tanto em relação à obra, onde alguns pormenores não foram atendidos, mas em relação à apropriação que dela fez o pároco, acrescentando muretas ao copiar que desconchavam todo o conjunto.