© 2010, Glauco Campello

Renovação do Ed. Barão de Mauá, Rio de Janeiro

Renovação do Edifício Barão de Mauá II (Antiga VALE) - Rio de Janeiro / 2015

            O edifício Barão de Mauá foi projetado no início da década de 1960 por Oscar Niemeyer, que teve então como colaborador o arquiteto Sabino Barroso.

            Concebido como um prisma de vidro, assentado no chão, com esquadrias de trama e modulação iguais em suas quatro fachadas, ele foi construído de pronto. Era um volume regular e uniforme para se por ao lado do edifício do Ministério da Educação e Cultura, o Palácio Gustavo Capanema, um ícone da arquitetura moderna brasileira, o qual reinava sozinho na quadra limitada pela Avenida Graça Aranha, Rua Santa Luzia, Rua da Imprensa e Rua Araújo Porto Alegre. O novo bloco era de aspecto neutro e rigoroso, com a mesma altura de seu ilustre vizinho, condições necessárias para a aprovação pelo Iphan de um volume edificado ao lado do bem tombado.

            Mas essa primeira versão da construção foi gravemente afetada pelo fogo num incêndio de 1981. Quase tudo se perdeu. Entretanto a sua estrutura pôde ser reforçada e reaproveitada em uma nova versão, também projetada por Niemeyer e executada logo a seguir.

            Em sua nova fisionomia a construção se apresenta com empenas cegas de mármore branco, esquadrias de alumínio na cor preta e vidro fumê na fachada voltada para nascente e esquadrias protegidas por lâminas verticais de brise-soleil na fachada voltada para poente.

            Nos dias de hoje, passados mais de 30 anos, o edifício projetado por Niemeyer não apresenta as qualificações técnicas atualmente desejadas. Além de não atender exigências de novas regras de segurança postas em vigor.

            Por isso, uma revisão e reformulação de sua infra-estrutura são necessárias. Mas não só. Também é importante trazer para a edificação os parâmetros contemporâneos de conforto, acessibilidade e sustentabilidade, dotando-a de novos requisitos de eficiência e de tecnologia avançada, revendo as relações entre área útil, área de apoio e área técnica, bem como, introduzindo sofisticados sistemas de equipamentos. Tudo com vistas a alcançar um alto padrão de edifício para escritórios.